REDE PÚBLICA DE ENSINO – UMA NOVA HISTÓRIA

Não é de hoje que nos pegamos reclamando acerca do nível  de aprendizagem dos alunos da rede pública. O enredo é sempre o mesmo: “eles não querem nada, não tem jeito...” Hoje, porém, convido aos colegas para uma reflexão que tenta mostrar o contrário. Não é uma questão de crucificar culpados, mas sim, de encontrar caminhos para escrevermos uma nova história na educação de nossa terra.

Historicamente, nunca se aplicou tantos recursos federais na educação dos municípios brasileiros, então, que tal acreditarmos que é possível fazer diferente em Barbalha, onde começa o Brasil para nós? O professor tem a massa, precisa modelá-la. O professor tem a pedra, precisa lapidá-la. Portanto, responda-me: o que você pode fazer diferente na sua prática pedagógica? Certamente, você deve ter ótimas sugestões para esse novo tempo. Atrevo-me, porém, a sugerir novos capítulos nessa nova história:

·         Planeje suas aulas acreditando que é possível fazer  sempre melhor.

Nunca repita os mesmos planos, pois os alunos sempre são diferentes...

·         Mostre-se sempre simpático. Demonstre o prazer de ensinar e aprender juntos. Você verá que isso fará uma grande diferença...

·         Lembre-se que você está formando  cidadãos. Ensine-os a pensar.

·         Limites devem ser ensinados em casa e aplicados na escola. Explique, pois, a importância das regras numa sociedade. Perceba a situação social dos seus alunos...A escola é uma parceira da família. Ajude-a.

·         Seja duro, mas nuca grosseiro. Antes de uma “bronca”, abra o coração de quem a recebe, elogiando primeiro. Não se canse à toa. E não esqueça que tudo tem que ter significado para o aprendiz.... Procure descobrir o que há de bom em cada discente. Todos têm o que nos ensinar.

·         Seja criativo, dinâmico, interessante para que o aluno tenha prazer em aprender.

·         A humildade é uma característica dos fortes. Reconheça que é falível, mas sempre em constante crescimento porque nunca tem vergonha de reconhecer suas falhas nem de mudar de opinião.

Pense mais e descobrirá muitas outras ideias. Assim, daqui a algum tempo, você perceberá o quanto valeu a pena ter feito diferente. E, dessa forma, entenderá quão intensa foi a sua contribuição na  construção de  uma estatística com menos adolescentes grávidas, menos jovens deliquentes, mais amor à cultura, mais leitores, melhores escritores....cidadãos.

Você pode, professor. Todos nós podemos. É só escolher, a partir de agora, ser EDUCADOR.